Vivemos um momento de intensa transição planetária onde ocorrem mudanças físicas no planeta e morais na humanidade. Sistemas políticos e governos de países em colapso, catástrofes climáticas, assassinatos coletivos, guerras e epidemias são decorrentes do desequilíbrio vigente no planeta. Entretanto, é também um momento de reflexão, aprendizado e de tomada de consciência para um comportamento sustentável social e ambientalmente, focados no Brasil que queremos.  É necessário empenhar esforço, urgentemente para a melhoria e nesta perspectiva, a “Agenda 2030” (ONU, 2015) propõe um plano de ação para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade. São 17 objetivos de desenvolvimento sustentável e 169 metas que os países signatários pactuaram para que em parceria colaborativa possa ser implementado. Buscando expressar o mundo que no qual quero viver em 2030, utilizei retratos disponíveis na internet que contemplassem as diversas raças, etnias e culturas, sem a pretensão de abranger a totalidade. A apropriação, técnica usada nas artes visuais, começa a ser utilizada pela arte moderna no Brasil a partir de algumas fotomontagens de Guignard (1896-1962). Na contemporaneidade, é amplamente utilizada nas fotografias híbridas, proposta desta série apresentada, que recebeu intervenção física, sendo recortadas e o rosto retirado parcialmente, a fim de extraí-las de seu contexto e torná-las anônimas e universais. Pequenos textos datilografados substituíram os rostos. Os textos baseiam-se nos problemas encontrados nos 17 objetivos a serem alcançados até 2030 e numa série de comportamentos a serem adotados para que possamos desfrutar enquanto humanidade de um mundo melhor, mergulhando na tarefa de vivenciarmos a mudança que queremos ver no mundo. 
THE PAST NO MORE 

Série Selecionada na Convocatória do festival de Fotografia de Paranapiacicaba. 2018. Temática sobre "direitos básicos e fundamentais de todos".

Brasil que eu quero 1

Brasil que eu quero 2

Brasil que eu quero 3

Você gostará de ver

Back to Top